4 vietnamitas são presos por abate ilegal de porcos em um apartamento no leste do Japão

Quatro vietnamitas foram presos sob suspeita de abate ilegal de porcos em um apartamento na província de Gunma. A polícia suspeita que o episódio tem conexão com uma série de roubos de gado e frutas que ocorreram em fazendas ao norte de Tóquio.

Os homens, dois com 32 anos, um com 22 e o outro com 27, são todos estagiários técnicos e vivem na cidade de Ota (Gunma). Eles foram presos nesta quarta-feira (28) por violarem a Lei do Matadouro e matarem o animal em um local não autorizado.

A polícia suspeita que vários outros grupos de vietnamitas estejam envolvidos na onda de roubos que ocorreram na região de Gunma. Os policiais que realizaram uma busca no apartamento dos homens, encontraram cerdas de porco. E além disso, uma reação do luminol também revelou vestígios de sangue, levando-os a suspeitarem do abate.

Crédito: Mainichi/Takashi Kawachi

Uma mulher que mora próxima ao apartamento dos vietnamitas disse: “Senti um cheiro azedo de animal nos últimos um ou dois meses”.

Série de roubos em Gunma 

Durante este ano, cerca de 720 porcos, 140 galinhas e cerca de 9.000 frutas, incluindo peras e uvas, foram roubadas na província de Gunma.

As prefeituras vizinhas de Saitama e Tochigi também viram uma série de roubos de porcos, bezerros e outros produtos agrícolas.

E em conexão com esses episódios, 13 vietnamitas incluindo homens e mulheres, foram presos na segunda-feira (26) por supostamente utilizarem um veículo que transporta carnes e frutas, em áreas agrícolas na província de Saitama, onde ocorreram furtos em agosto.

A polícia também apreendeu recibos de entrega que continham o nome de dois vietnamitas do grupo. Segundo a polícia, os recibos indicavam que eles teriam enviado carne e outros produtos para seus compatriotas que vivem no Japão. Levando em consideração esses fatos, a polícia de Gunma agora irá investigar se os quatro homens presos nesta quarta (28) também tiveram contato com o grupo dos 13 vietnamitas que foram detidos dias antes.

#crime


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.