A viagem de Chihiro, um dos clássicos do Studio Ghibli, pode ter sido baseado em um assustador conto real

A viagem de Chihiro, um dos clássicos do Studios Ghibli apresenta paralelos assustadores com uma história real de uma criança que ficou desaparecida por sete dias

Desde que foi lançado em 2001, “Spirited Away” ou “A viagem de Chihiro” cativou o público em todo o mundo com sua história mágica. O filme está bem longe da realidade, mas de acordo com um tweet que se tornou viral recentemente no Japão, há paralelos impressionantes com um conto da vida real.

O usuário do twitter @syurisyeri trouxe o assunto à atenção de todos com o seguinte tweet:

“Alguém ouviu uma história assustadora que diz: ‘Quando eu era criança, havia um kamikakushi na aldeia, onde uma criança que eu estava perto desapareceu. Ininterruptamente, por sete dias e sete noites, procuramos pela criança na aldeia, mas não a encontramos. Na manhã do oitavo dia, independentemente de quem eu perguntasse, todos diziam: “Aquela criança nunca existiu, você a viu em sonho?” e “Você esqueceu que sempre houve apenas quatro filhos naquela família?”

Em japonês, kamikakushi é uma palavra que combina “神”, o kanji para “Deus” ou “espírito”, e “隠 し”, que significa “estar escondido” ou “escondido”, dessa forma, kamikakushi pode ser traduzido como “escondido pelos espíritos” ou  “desaparecido”.

Crédito: Sora News

O filme gira em torno da história de uma menina de 10 anos chamada Chihiro, que misteriosamente foi levada para um mundo encantado.

Curiosidades

Você sabia que o título original do filme “A viagem de Chihiro”, na verdade é “Sen to Chihiro no Kamikakushi” (O Espírito Santo de Sen e Chichiro)?

De acordo com @syurisyeri, a pessoa que contou a história ficou chocada e confusa com a negação inflexível dos habitantes da cidade sobre a existência da criança. Enquanto a criança foi esquecida por muitos anos, o mistério se aprofundou após um evento inesperado.

Décadas depois, houve o funeral da mãe da criança, e quando voltei para a aldeia, aquela criança, que deveria ter desaparecido, estava sentada lá. Quando chegou a hora de sair por aí servindo bebidas para as pessoas na hora das refeições [uma cortesia comum em reuniões como essa no Japão] , eu fingi não reconhecer a pessoa e quando ela perguntou ‘Você se esqueceu de mim?’ Eu me fiz de bobo e disse ‘Desculpe, quem é você?’. A pessoa respondeu: ‘Oh, tudo bem.’ ”

Todos os anos depois disso, a pessoa misteriosamente recebia um convite para o funeral da mãe, e todos os convites acabavam sendo jogados fora. O final no conto termina com:

Esta é a história que ouvi de uma pessoa que morreu há quase 15 anos.”

Embora este conto seja contado como algo que realmente aconteceu na vida real, as linhas entre a realidade e o mito urbano são um pouco confusas.

Vários comentaristas japoneses confirmaram que tinham ouvido histórias semelhantes de kamikakushi ocorrendo em suas próprias cidades.

Se uma criança é raptada por espíritos, os habitantes da cidade fingem que não existiam para que possam proteger a cidade de uma ameaça”;“Eu ouvi uma história semelhante em que um homem sequestra crianças e as enterra nas montanhas e as pessoas fingem que nunca aconteceu.”

 Os comentaristas também foram rápidos em fazer paralelos entre o conto real e o filme Spirited Away. Além da semelhança entre o kamikakushi de Chihiro e a criança da história, o tema do esquecimento das pessoas é recorrente ao longo do filme .

Crédito: Sora News

Um exemplo evidente, é quanto Chihiro perde seu nome e se torna conhecida como Sen no mundo espiritual. Seu amigo Haku pede que ela nunca esqueça seu nome, pois se ela esquecer seu nome como ele esqueceu o dele, ela nunca será capaz de deixar o mundo espiritual.

O escritor e o diretor do filme, Hayao Miyazaki, revelou abertamente que o Spired Away foi inspirado em mitos japoneses que eram bem conhecidos por membros de sua geração e agora são esquecidos pelas gerações mais jovens.

Dessa forma, se a existência depende da memória, o filme “A Viagem de Chihiro” certamente está contribuindo para manter a cultura japonesa viva, garantindo que suas antigas histórias nunca sejam esquecidas.

Quem aí já assistiu o filme e se arrepiou com a semelhança com o conto real?

#curiosidades


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.