Farmácias estavam vendendo máscaras apenas para clientes que levassem mais produtos junto

A Comissão de Comércio Justo do Japão (JFTC) alertou aos comércios que estão praticando “vendas vinculadas” de máscaras que o órgão antitruste do país lançará medidas proibitórias caso necessário. O alerta veio depois que uma farmácia foi pega vendendo máscaras em pacotes fechados com outros produtos.

A operadora Kokumin Co., que administra as farmácias Kokumin em todo o país, admitiu que algumas de suas lojas estavam com uma tática de venda onde faziam pacotes das máscaras com outros produtos, e assim o cliente deveria comprar mais itens caso desejasse levar embora as tão desejadas máscaras.

No dia 19 desse mês, a firma comentou que “foi confirmado que algumas lojas estavam praticando táticas de vendas que poderiam causar um mal entendido“. O secretário geral da JFTC, Shuichi Sugashita, disse à imprensa nessa quarta-feira (26) que “é problemático se as empresas mantiverem as ‘vendas vinculadas’ em meio à crescente demanda por máscaras e os consumidores forem obrigados a comprar [mais de um produto]”.

A busca e demanda por máscaras por todo o Japão está enorme, está quase impossível de serem encontradas. Nas lojas e farmácias as prateleiras estão vazias e geralmente com recados dizendo que não há previsão para a chegada de mais produtos. Online, os preços das caixas de máscaras estão absurdos (algumas chegam a 20 mil ienes – cerca de 800 reais).

Logicamente a busca desesperadora pelas máscaras é diretamente ligada ao pânico coletivo do coronavírus, e com a época de kafunsho chegando, muitas pessoas estarão com sérios problemas caso novas máscaras não cheguem logo às lojas. Para quem não sabe, esse ano o kafunsho começará mais cedo! Leia mais em https://diaadia.jp/blog/voce-tem-kafunsho-comecara-mais-cedo-neste-ano/


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.