Governo volta atrás e revisará a suspensão total de novas reservas de voos com destino ao Japão

A All Nippon Airways Co. (ANA) e a Japan Airlines Co. (JAL) anunciaram ontem que iriam parar de aceitar reservas para voos internacionais com entrada no Japão, seguindo os pedidos do governo para conter a disseminação da nova variante Ômicron. O Ministério dos Transportes solicitou às companhias aéreas que parassem de aceitar reservas para voos com entrada no Japão até o final do mês de dezembro.

No entanto, o primeiro-ministro Fumio Kishida admitiu na manhã desta quinta-feira (2) que as restrições de seu governo para a reentrada de cidadãos japoneses e residentes estrangeiros causaram confusão e sugeriu que as medidas fossem revisadas.

Um dia depois do anúncio causar desespero nos japoneses que moram no exterior, o primeiro-ministro disse que instruiu as autoridades do Ministério dos Transportes para que levassem em consideração a demanda de retorno do povo japonês, que costuma voltar ao Japão nessa época de fim de ano para visitar a família.

Com o pedido do Ministério de Terras, Infraestrutura, Transporte e Turismo de parar de aceitar reservas para voos internacionais de chegada, todos os cidadãos japoneses e residentes estrangeiros seriam impedidos de entrar no país. Por outro lado, a Organização Mundial da Saúde alertou que as proibições de viagens gerais não apenas serão ineficazes na prevenção da propagação global da variante, mas também podem colocar um fardo pesado na vida das pessoas e afetar os meios de subsistência.

O Japão confirmou o segundo caso da nova variante do coronavírus em um homem na casa dos 20 anos que chegou ao aeroporto de Narita no último sábado (27), depois de permanecer no Peru. O homem, está totalmente vacinado com a vacina da Pfizer Inc. e não apresentava sintomas no momento da chegada, mas depois desenvolveu febre e dor de garganta. Atualmente ele está em quarentena em um centro médico. Cerca de 114 pessoas que estavam no mesmo voo que o homem tiveram resultado negativo e estão sendo tratadas como contatos próximos. O primeiro caso de infecção envolvendo a variante no Japão, foi de um diplomata na casa dos 30 anos que chegou da Namíbia e desembarcou no aeroporto de Narita.

Os cientistas estão se esfoçando para determinar se a cepa Ômicron altamente mutada será mais transmissível do que a variante Delta e se é capaz de escapar da imunidade das vacinas. A variante Ômicron foi relatada pela primeira vez pela África do Sul na semana passada e foi descoberta em vários países incluindo o Brasil, Japão, Estados Unidos, Coreia do Sul.

O Japão já proibiu a entrada de estrangeiros de todo o mundo, deixando muitos expatriados e viajantes japoneses abalados com as restrições mais rígidas nas fronteiras do país.

Além da proibição de novas entradas de estrangeiros, o Japão impôs medidas de quarentena mais duras para os cidadãos japoneses e os residentes estrangeiros que estiveram recentemente em determinados países ou regiões, passsando a exigir que passem até 10 dias de seus períodos de isolamento nas instalações designadas.

Leia mais:

#coronavírus


Governo volta atrás e revisará a suspensão total de novas reservas de voos com destino ao Japão Notícias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *