O Japão é um país de muita tecnologia, mas existem partes em que ainda preferem continuar da forma tradicional, como por exemplo usando hanko em documentações.

O “hanko” é um carimbo com seu sobrenome que todas as pessoas precisam ter, não importa se tem nacionalidade japonesa, ou não. Existem hankos de pessoa física ou jurídica, e eles servem como assinatura em várias situações do cotidiano.

Porém, essa parte da cultura japonesa está prestes a mudar. O governo japonês está disposto a introduzir novas tecnologias verificando a possibilidade de uma nova operação de certificação de documentos eletrônicos no trabalho, sem precisar da validação de documentos por meio de carimbos.

O governo quer implantar o chamado “ESeal”, que servirá como o atual hanko. Tirando o contratempo de precisar enviar o documento para a empresa, para assim recebe-lo de volta carimbado, a nova tecnologia está prevista para 2022.

A ideia surgiu após a grande disseminação de coronavírus no país, já que muitos funcionários precisam trabalhar de casa, impossibilitados de irem até seus escritórios.

No dia 20 (segunda-feira), o Japão anunciou que seu novo objetivo seria ficar em primeiro lugar no G20 na avaliação do Banco Mundial. Para isso, as empresas japonesas que ainda são consideradas atrasadas em comparação aos outros países, terão que reavaliar os seus costumes tradicionais, incluindo o uso de hankos.

 


Japão implantará novo sistema para 2022 e a cultura do "hanko" poderá acabar Japão