DIA A DIA

Informação, cultura, turismo e entretenimento para brasileiros no Japão

Nova variante XBB do coronavírus foi detectada em Tóquio

Casos da variante altamente transmissível do coronavírus “XBB” foram detectados em Tóquio, de acordo o comitê de monitoramento de infecções COVID-19 do governo metropolitano.

O XBB – um vírus formado a partir de uma combinação das subvariantes ômicron BA.2.75 e BA.2 – foi relatado pela primeira vez por Singapura em setembro e, desde então, foi confirmado em 35 países.

A subvariante apresenta várias mutações em sua “proteína spike”, a parte do coronavírus que se prende às células para adentrá-las, dando capacidade excepcional de escapar da imunidade adquirida por infecções passadas ou vacinação. Por mais que seja alarmante, sua severidade ainda não é conhecida, disse o comitê de monitoramento na quinta-feira.

Em Singapura, a XBB ultrapassou o BA.5, a variante anteriormente dominante, e foi responsável por mais de 60% dos novos casos, desde 14 de outubro. Índia e Bangladesh também tem visto surtos em casos de XBB.

Além dos seis casos encontrados em Tóquio, sete casos de XBB tinham sido detectados em verificações de aeroportos no Japão até 17 de outubro, a maioria de pessoas que tinham ido à Índia, segundo o governo metropolitano.

Várias outras novas subvariantes de ômicron surgiram na capital nos últimos meses. Tóquio viu 131 casos de BF.7, uma sub-linha BA.5, assim como 46 casos de BQ.1 e BQ.1.1, também da família BA.5. Ambos são conhecidos por se espalharem mais rapidamente do que o próprio BA.5.

“Embora (a variante XBB) tenha se espalhado em Singapura e em alguns outros lugares, ainda não vimos sinais de que ela se torne dominante em todo o mundo”, disse Mitsuo Kaku, um especialista em doenças infecciosas que atua no comitê do governo metropolitano. “Devemos continuar monitorando a situação tanto no país, como no exterior”.

A BA.5 continua sendo a variante dominante do coronavírus em Tóquio, como no resto do Japão e do mundo, representando 94,3% de todas as variantes sequenciadas este mês. O BA.5 impulsionou a sétima e maior onda de infecções no Japão, que começou no início de julho e atingiu seu auge em agosto.

Novas infecções diárias pairam em torno de 40.000 a 50.000 em todo o país recentemente, em comparação com um pico de mais de 250.000 em meados de agosto.

LEIA MAIS:

Fonte: Japan Times

#coronavírus

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *