O drama das jovens que não podem se isolar em casa e não tem para onde ir

Todo mundo está cansado de ouvir que é necessário se isolar para impedir maior disseminação do coronavírus e que ficar em casa é o melhor para a população nesse momento, mas, e quem não tem ou não pode ir para casa?? Esse é o drama de muitas jovens que se aventuram no mundo do entretenimento noturno no Japão, e como elas lidarão com essa situação é mais uma das incógnitas que temos em nossas mãos.

Mas nem tudo está perdido.

Muitos adolescentes, especialmente jovens meninas, saíram de suas casas devido à abusos, pobreza e outras razões e acabam ficando por aí, sem rumo e nem direção. Pensando nisso, foi criado o Colabo, um grupo que ajuda meninas menores de idade que não tem para onde ir.

O grupo garantiu quartos em um hotel como abrigo para quem precisasse durante esse isolamento, e além disso continua a dirigir seu ônibus chamado “Tsubomi Cafe” e passa pelo famoso bairro de entretenimento Kabukicho, em Tóquio, para oferecer comida e consultas gratuitas no interior do veículo.

Na noite em que o Japão declarou estado de emergência por causa do vírus, os membros da equipe procuraram nas ruas quem precisava de ajuda. Entre as pessoas que abordaram, estavam duas garotas carregando grandes malas e uma garota vestida com uma fantasia de empregada (para atrair clientes para um bar).

O recrutamento para a indústria do sexo continua“, disse Yumeno Nito, diretora do grupo. “Existe uma necessidade real de nosso trabalho em um momento como este”.

Mais da metade das nove pessoas que entraram no café na noite eram novatas e várias disseram que queriam ficar nos quartos de hotel que o grupo conseguiu. Uma menina de 17 anos disse que está com dificuldades financeiras porque o salário por trabalhar em um restaurante caiu pela metade e que não se sente segura em casa com a mãe, que, segundo ela, negligenciou a ela e sua irmã mais nova.

Por favor, arranjem mais lugares fora de casa, onde possamos nos sentir seguros“, disse a garota.

O operador do hotel, de 45 anos, que ofereceu os quartos, disse que o lugar estava praticamente vazio porque os visitantes estrangeiros pararam de chegar. “Eu ficaria feliz se as crianças que estão em uma situação difícil usassem-nos“, disse ele.

Vários grupos de apoio já deram o alarme de que medidas para combater a propagação do vírus podem alimentar a violência doméstica.

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, pediu aos governos que garantam que a prevenção da violência contra mulheres e meninas seja uma parte essencial de suas contramedidas do COVID-19, citando um “horrível aumento global da violência doméstica”.

No site oficial da Colabo é possível ver o trabalho que eles fazem, e é importante a divulgação de trabalhos assim pois podemos ajudar muitas pessoas, não só meninas que ingressam no mundo de trabalhos sexuais devido à problemas financeiros mas como também aquelas que tem problemas em casas e não se sentem seguras em seu próprio lar. Veja o site completo aqui.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.