O que acontecerá com os refugiados ucranianos que chegaram ao Japão?

Um avião do governo japonês com 20 refugiados ucranianos chegou ao Japão um pouco antes das 12 horas de terça-feira (5). A abordagem incomumente acolhedora do Japão aos refugiados da Ucrânia chamou a atenção por ser um contraste com a política de refugiados tradicionalmente rígida.

O resgate foi decidido após o Ministro das Relações Exteriores do Japão, ir para a Polônia como enviado especial do primeiro-ministro japonês, Kishida Fumio, em preparação para o acolhimento de pessoas que fugiram da Ucrânia.

Crédito: REUTERS/ Ministro das Relações Exteriores do Japão

Até o último sábado, haviam 4,17 milhões de refugiados desde o início do conflito. Desses, 2,42 milhões cruzaram a fonteira com a Polônia, segundo a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR).

Desde a invasão da Rússia na Ucrânia, o Japão aceitou mais de 400 evacuados ucranianos, segundo o secretário-chefe do gabinete, Hirokazu Matsuno. Até então, todos tinham parentes ou alguém para recebê-los.

Leia também: Manifestação em frente ao escritório de imigração de Osaka contra a longa detenção de requerentes de refúgio

Refugiados ucranianos no Japão

Refugiados da Ucrânia chegam ao Japão
Crédito: REUTERS/Kim Kyung-Hoon

O governo japonês vai acolher 20 pessoas da Ucrânia por razões humanitárias e cobrirá o custo da estadia por enquanto, incluindo refeições e despesas médicas.

Além disso, o governo vai oferecer suporte para que os ucranianos refugiados se sintam seguros e protegidos, fornecendo apoio por cerca de seis meses, incluindo ajuda com emprego e aulas de idiomas.

O Ministro das Relações Exteriores, Hayashi Yoshimasa, visitou um centro de acolhimento de ucranianos e também foi recebido pelo presidente da Polônia, Andrzej Duda. Além do presidente, ele também foi recebido por outras altas autoridades do governo polonês.

Crédito: AP Photo/Czarek Sokolowski

O Japão e a Polônia chegaram a um acordo para prestar assistência aos ucranianos forçados a deixar seu país devido à invasão russa.

Hayashi presenciou as dificuldades enfrentadas por eles e afirmou que a experiência renovou sua convicção de que o Japão deveria trabalhar em coordenação com a comunidade internacional para prestar plena assistência aos refugiados.

Na segunda-feira, Hayashi disse a seu colega Zbigniew Rau em Varsóvia que o Japão aceitaria “o maior número possível de evacuados” da Ucrânia.

Leia também: Japão abre portas para refugiados ucranianos sem relativos ou fiadores no país

Abordagem incomum do Japão

Crédito: KYODO

Trazer os evacuados no avião do governo foi uma maneira de mostrar “a postura do Japão” em enfrentar a crise de refugiados. Atualmente, mais de 2,4 milhões de pessoas cruzaram a fronteira para a Polônia, manifestou uma autoridade japonesa.

Segundo o Ministério da Justiça, em 2020, dos 3.936 requerentes, 47 pessoas foram reconhecidas como refugiadas sob as disposições da lei de controle de imigração. E 44 foram autorizados a permanecer no Japão por razões humanitárias, embora não tenham recebido o status de refugiado.

A presidente do conselho da Associação Japonesa para Refugiados, Eri Ishikawa, elogiou a ação do Ministro das Relações Exteriores, mas lembrou que outros refugiados da África e do Oriente Médio, não devem ser esquecidos.

“A situação das pessoas que fugiram de outros países que não a Ucrânia não mudou. Esta deve ser uma oportunidade para repensar o esquema de refugiados do Japão”-disse ela.

Como ajudar a Ucrânia

Para doar e ajudar os refugiados ucranianos, entre na campanha da Unicef.

Para se informar melhor sobre as doações, leia essa matéria da NHK (em japonês), pois nesta matéria há diversos links de doação e uma explicação sobre o que podemos fazer para ajudar.

Fonte: NHK e Japan Today

Imagem de destaque: REUTERS/Kim Kyung-Hoon

Matérias relacionadas:

Japão permite que ucranianos solicitem status de refugiado

Escolas de japonês abrem vagas para 100 estudantes ucranianos

#diaadia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.