Panfletos criticando o casamento LGBT colocados em caixas de correio em uma cidade do Japão

Panfletos escritos “Cuidado com os movimentos radicais para legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo” e incluíam outras declarações que aparentemente alimentavam a discriminação contra as minorias sexuais foram postados em caixas de correio na cidade de Akita, no norte do Japão, em setembro.

Membros de LGBT e outras minorias sexuais estavam entre os que receberam os panfletos, e uma organização que apoia os movimentos LGBT em fúria comentou: “Ninguém tem o direito de infringir a felicidade deles. É inacreditável que as pessoas encistem na discriminação e o preconceito com informações falsas.”

Masataka Masaki, chefe da Rede de Sexualidades e Direitos Humanos ESTO, disse que a questão dos panfletos veio à tona por meio de informações fornecidas por um membro de uma minoria sexual. Os panfletos foram distribuídos logo após o tópico de um sistema de parceria para casais do mesmo sexo ter sido levantado em uma sessão geral de perguntas e respostas durante uma reunião da Assembleia Municipal de Akita. Também foi distribuído um panfleto na casa de uma pessoa cujo sexo consta como feminino no registro familiar, mas que se identifica como homem. A pessoa relatou o caso ao Escritório de Assuntos Jurídicos do Distrito de Akita, à Polícia da Prefeitura de Akita e ao Governo da Prefeitura de Akita.

Os panfletos incluíam declarações que pareciam rejeitar o sistema de parceria, bem como os direitos humanos das minorias sexuais, dizendo “Tememos que as afirmações que foram longe demais sejam aprovadas sem perguntas” e perguntando: “Isso não será uma influência negativa em nossas crianças? ” Eles também declararam: “A base dos sistemas de casamento foi abalada (em países no exterior que permitem o casamento do mesmo sexo).” O membro da minoria sexual que recebeu um dos panfletos falou de sua crescente preocupação e disse: “É extremamente assustador se eles mandaram os panfletos depois de identificar os indivíduos. Sinto como se minha existência tivesse sido negada.”

“Não quero que a mesma coisa aconteça nunca mais”, disse Masaki. “Indivíduos desinformados correm o risco de acreditar no que está escrito no folheto. Gostaria que as pessoas soubessem a realidade de que o direito a padrões de vida iguais e os direitos humanos básicos garantidos pela Constituição não estão sendo garantidos (para as minorias sexuais)”.

O governador de Akita, Norihisa Satake, expressou sua desaprovação dos panfletos durante uma coletiva de imprensa regular em outubro, dizendo: “É uma visão tão medíocre. O assunto não deveria ser expresso dessa forma.” Ele indicou que pretendia implementar uma portaria com o objetivo de dissolver a discriminação contra todos os grupos, incluindo as minorias sexuais.

#diaadia


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.