Por trás da limpeza de Tóquio: voluntários recolhem lixo, uma tradição que nasceu com as Olimpíadas de 1964

Um grupo de residentes locais de Tóquio continuou com sua tarefa de recolher diligentemente o lixo ao redor do Estádio Nacional durante os Jogos Olímpicos, mesmo com o recorde de casos de COVID-19 sendo registrados. Por trás de seus esforços estava o desejo de oferecer aos atletas e afiliados de todo o mundo hospitalidade calorosa e um ambiente limpo – semelhante aos desejos das pessoas na época dos Jogos Olímpicos de Tóquio em 1964.

O grupo também realizou atividades de limpeza ao redor do estádio no dia 9 de agosto – um dia após o último dia das Olimpíadas de Tóquio – e disse que planeja realizar suas atividades também durante os Jogos Paraolímpicos.

Pouco depois das 8h do dia 9 de agosto, o grupo de residentes locais foi visto recolhendo lixo ao longo de uma estrada perto do Estádio Nacional no bairro de Shibuya, em Tóquio, enquanto enxugavam o suor do calor do verão. Cerca de 30 pessoas se reuniram e limparam a rua e os arbustos de bitucas de cigarro, latas vazias, garrafas plásticas e outros lixos, um após o outro, usando máscaras e mantendo distância para evitar o contato. Durante todo o tempo, choveu intermitentemente devido a passagem de um tufão.

Este foi o sexto encontro do grupo. Como muitas pessoas se reuniram ao redor da área próxima ao estádio na noite anterior para a cerimônia de encerramento das Olimpíadas, havia visivelmente mais lixo do que o normal. Os moradores e outras pessoas ampliaram o alcance de suas atividades de limpeza e recolheram cinco sacos de 45 litros cheios de lixo em cerca de uma hora.

Kanade Ueda, 48, que administra uma empresa no bairro de Shibuya, na capital, teve a ideia do projeto. Ela pediu cooperação em sua conta de mídia social e por outros meios em 21 de julho – dois dias antes da cerimônia de abertura dos Jogos. Contrariando suas expectativas de reunir cerca de cinco pessoas no máximo, aproximadamente 20 pessoas participaram da primeira sessão de limpeza que foi realizada na manhã de 23 de julho. E com o tempo cada vez mais pessoas aderiram.

A história da coleta de lixo tem laços profundos com as Olimpíadas no Japão. Na época das Olimpíadas de Tóquio, 57 anos atrás, o lixo estava espalhado por toda a área de Tóquio. Visto que Tóquio sediaria os Jogos de 1964, melhorar a limpeza e saúde pública na capital antes de receber atletas estrangeiros tornou-se uma questão prioritária.

Em resposta, o governo de Tóquio estabeleceu a “sede para promover o embelezamento da capital” em novembro de 1962. A partir de dezembro daquele ano, todo dia 10 do mês era um “dia de embelezamento da capital”. Os governos metropolitano e distrital, bem como distritos comerciais, associações de bairro e outras entidades de residentes, cooperaram e incentivaram todos os residentes de Tóquio a se envolverem em atividades de limpeza pública. Eventos de grande escala foram realizados nas principais estações e áreas próximas aos locais olímpicos em 10 de setembro de 1964, antes do início dos Jogos no mês seguinte.

Diz-se que empreendimentos residenciais foram particularmente ativos no bairro de Shibuya, onde a vila olímpica e muitos locais estavam concentrados. A campanha liderada pelo governo, sob o slogan “Vamos tornar Tóquio bonita com as mãos de 10 milhões de pessoas”.

A voluntária Ueda disse que embora tivesse pouco interesse nos recentes Jogos de Tóquio e fosse neutra sobre se eles deveriam ser realizados ou não, ela “queria tornar a cidade limpa para as pessoas do exterior se sentirem bem-vindas”.

Ueda tinha uma loja que de roupas de dança do ventre em Shibuya, e começou as atividades de limpeza sozinha seis anos atrás, depois de testemunhar a rua em frente à loja transbordando de lixo. As pessoas que simpatizavam com seus esforços aumentaram gradualmente, e isso se tornou um grupo que coleta lixo regularmente.

A área de Sendagaya, onde está localizado o Estádio Nacional, fica próxima ao local das atividades de limpeza de Ueda. Enquanto ela conversava com Chiharu Okazaki, 54, diretora da associação de promoção do distrito comercial Sendagaya Odori, eles chegaram à conclusão de que deveriam continuar os esforços de coleta de lixo durante as Olimpíadas. Assim que começou, a rede se expandiu além das expectativas por meio do boca a boca e outros meios, e estudantes universitários locais e funcionários de instituições financeiras também aderiram à iniciativa.

O Colégio de Ensino Médio Harajuku Gaien Junior no bairro de Shibuya escreveu sobre os esforços de limpeza em seu site, e muitos alunos nas férias de verão também participaram. O diretor Shoichi Komazaki comentou: “Como os espectadores foram barrados nas instalações olímpicas e os alunos não podem assistir aos eventos, pensei no que poderíamos fazer como uma escola na comunidade e decidi cooperar”.

As atividades de embelezamento que começaram com as Olimpíadas de Tóquio de 1964 continuaram por 10 anos, mesmo após o fim dos Jogos. A capital do Japão se transformou em uma área tão limpa que os turistas estrangeiros ficam surpresos.

As recentes Olimpíadas de Tóquio terminaram em meio a uma mistura de várias emoções e reações do público. A empresa de Ueda também sofreu com a pandemia. No entanto, ela disse que pretende continuar com as atividades. Ueda está organizando cronogramas de limpeza para o período durante os Jogos Paraolímpicos a partir de 24 de agosto. Ela comentou: “Seguindo as atividades atuais, estendemos o poder da comunidade. Quero continuar os esforços para tornar a cidade limpa”.

Leia também:

Prefeitura de Osaka cria Centro comunitário para apoiar mulheres que tiveram emprego e renda impactados pela pandemia

Japão cria mais de 200 kimonos exclusivos para cada país que participou das Olimpíadas

DIPLOMATA JAPONÊS NOS EUA VIRALIZA APÓS POSTAR 356 VÍDEOS (QUASE) IDÊNTICOS NA INTERNET

#diaadia


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *