DIA A DIA

Informação, cultura, turismo e entretenimento para brasileiros no Japão

Preço das terras no Japão ficam mais caros em 2022

Os preços dos terrenos no Japão tiveram o primeiro aumento em dois anos, subindo uma média de 0,6% em 2022, em comparação com 2021. O aumento sinaliza que as consequências econômicas da nova pandemia do coronavírus estão diminuindo.

Os dados baseiam-se em valores de terra oficialmente avaliados em 1.º de janeiro e divulgados pelo Ministério da Terra na quarta-feira (22).

Segundo os dados, os preços dos terrenos comerciais aumentaram 0,4% em média, após um declínio de 0,8% no ano passado.

Leia também: O que você precisa saber sobre as restrições de fronteira facilitadas no Japão

Terrenos que tiveram queda nos preços

No entanto, as áreas comerciais que dependiam fortemente de turistas estrangeiros antes da pandemia estão caindo no valor da terra devido às restrições de entrada no Japão.

Um exemplo de terreno onde o preço está desvalorizado, é o distrito de Minami, em Osaka, uma área que costumava estar repleta de visitantes estrangeiros e agora está sentindo a falta de turistas do exterior.

Crédito: Aekalak Chiamcharoen / Shutterstock

Outro exemplo, é o terreno onde um prédio que costumava abrigar um famoso restaurante de baiacu, Zuboraya, foi avaliado em 4,9 milhões de ienes por metro quadrado. O valor dele teve uma queda de 15,5%, marcando o maior declínio do país em propriedades comerciais pela segunda vez consecutiva.

Oito locais no distrito de Minami (Osaka) ficaram entre os 10 locais do Japão que registraram a maior queda dos preços dos terrenos.

Crédito: Terry (α) via Flickr

Terrenos que tiveram valorização nos preços

Mas em contraste, a área de Asakusa, em Tóquio, um destino muito popular entre os turistas, está se recuperando lentamente.

O preço do terreno para um edifício multilocatário próximo da estação de metrô Asakusa foi avaliado em 4,45 milhões de ienes por metro quadrado, um aumento de 1,1%. Em 2021, houve uma queda de 12% no valor do terreno.

Canva

Um restaurante de tempura próximo ao portão Kaminarimon do templo Sensoji (Tóquio) disse que os clientes estão retornando gradualmente, embora o fluxo ainda esteja baixo.

Mas os estabelecimentos que antes eram frequentados por turistas estrangeiros ainda lutam para se manter em pé.

O terreno com preço mais alto foi a loja principal da Yamano Music Co., no elegante distrito comercial de Ginza, pela 16.ª vez consecutiva, avaliado em 53 milhões de ienes por metro quadrado.

Crédito: Wikkipédia

Os terrenos residenciais no Japão tiveram um aumento médio de 0,5%, em comparação com uma queda de 0,4% em 2021.

Conforme os dados, o crescimento nos preços dos imóveis residenciais foi registrado em Tóquio e em outras 19 prefeituras, um número bem acima dos 8 registrado em 2021.

A demanda por apartamentos em áreas convenientes, onde as pessoas podem se deslocar facilmente permaneceu alta. Mas o teletrabalho também aumentou a demanda por moradias isoladas na periferia dos centros urbanos, incluindo a área metropolitana de Tóquio.

O valor das propriedades industriais subiu 2%, aumentando pelo sexto ano consecutivo. Esse foi o maior salto desde o colapso da economia inflada de ativos em 1992.

Um fator-chave por trás do aumento dos preços dos terrenos é o crescente investimento na construção de instalações de distribuição que atendem à crescente demanda por compras online.

Fonte: Asahi Shimbun

Matérias relacionadas:

Governo propõe manter redução de impostos para compra de casas e carros

Quais são as 10 cidades mais desejáveis para se morar no Japão?

Jovens precisam de 240.000 ienes para morar em Osaka

#diaadia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *