Preço do pão e outros produtos do cotidiano disparam no Japão

Os preços do pão, óleo de cozinha e outros produtos básicos do dia a dia estão subindo no Japão, sobrecarregando os gastos das famílias.

Sinto que tudo, exceto os vegetais, está ficando mais caro. É difícil para as pessoas que vivem de suas pensões”-disse uma mulher de 70 anos que estava fazendo compras no supermercado Akidai Sekimachi (em Tóquio).

A idosa disse que sentiu que produtos como pão e óleo de cozinha subiram recentemente.“Parece que todo tipo de coisa vai ficar mais caro. Se os preços subirem muito vou atingir meu limite”-acrescentou.

Produtos mais caros nos supermercados

Os supermercados também estão se esforçando para ajustar os preços de varejo para os produtos cada vez mais caros que estocam.

“A gasolina ficou mais cara e os custos de transporte aumentaram.É muito difícil. Mas se os preços continuarem subindo, podemos perder clientes”- disse Hiromichi Akiba, chefe da rede de supermercados Akidai.

A Nisshin Foods Inc., anunciou que a partir de janeiro de 2022, cerca de 151 de seus produtos, incluindo a farinha, terão preços mais elevados.

Aumento do preço do trigo

Crédito: iStock Photo

A recuperação econômica da crise do coronavírus e o aumento acentuado da demanda por trigo na China, além da queda das colheitas nos EUA levaram o governo japonês a aumentar o preço de venda do trigo importado (que é revisado de 6 em 6 meses).

A Yamazaki Baking Co., também anunciou que irá aumentar os preços de 247 produtos a partir de janeiro de 2022, incluindo pão torrado e pão doce. O restaurante Yoshinoya informou que irá aumentar os preços de suas tigelas, devido à alta nos preços de importação da carne bovina.

Aumento do preço da soja

Crédito: iStock Photo

A Kikkoman Corp. aumentará os preços do milho de soja e do leite de soja a partir de 16 de fevereiro de 2022. Esse será o primeiro aumento desde 2008. Os efeitos do vírus da febre suína africana afetou a produção de suínos.Para incentivar o maior cultivo de soja, os produtores chineses começaram a importar grandes quantidades para usar na alimentação dos animais.

Leia mais:

#diaadia


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.