Produção de carros nas fábricas japonesas é atingida em meio à crise na Ucrânia

A medida que o setor automotivo enfrenta cortes de produção devido à pandemia do coronavírus, a produção industrial do Japão encolheu pelo segundo mês em janeiro e com a invasão da Ucrânia pela Rússia agravando a situação, a economia japonesa enfrenta o risco de contração.

Mesmo antes da invasão russa na Ucrânia, as fábricas da terceira maior economia do mundo já estavam lutando com interrupções no fornecimento de peças globais e com as altas infecções por coronavírus desencadeada pela variante Ômicron.

“A produção de carros diminuiu substancialmente devido à piora da escassez de chips e gargalos de fornecimento”-disse Takeshi Minami, economista-chefe do Instituto de Pesquisa Norinchukin.

“Isso se espalhou (para outras indústrias, como) a siderúrgica, que também caiu.”

Queda da produção industrial no Japão

Segundo os dados oficiais divulgados na segunda-feira, a produção industrial caiu 1,3% em janeiro em relação ao mês anterior. A produção industrial caiu devido à diminuição da produção de carros, bem como pelo declínio de ferro, aço e metais não ferrosos. Este foi o segundo mês de queda, após cair 1,0% em dezembro.

Leia também: Toyota reduzirá produção em meio ao aumento das infecções

Cortes na produção de carros nas fábricas

As fabricantes de automóveis japoneses, incluindo a Toyota Motor Corp. e a Suzuki Motor Corp., enfrentaram cortes de produção após serem atingidas por interrupções na cadeia de suprimentos e pelo recorde de infecções por COVID-19.

Os dados de segunda-feira mostraram que a produção de carros e outros veículos automotores caiu 17,2% em relação ao mês anterior em janeiro, pela primeira vez em quatro meses, reduzindo a produção em cerca de 2,7 pontos percentuais.

Leia também: Economia do Japão deve mostrar recuperação mais clara até 2022

Como a crise na Ucrânia afetará a produção no Japão?

As complicações da crise na Ucrânia representam sérios riscos para a produção do Japão e para a economia em geral. Segundo Minami, economista-chefe, a produção do Japão pode ser reduzida se o conflito desencadear uma escassez global de commodities e energia.

“Quanto mais durar a guerra entre a Ucrânia e a Rússia, mais fortes serão as sanções”, disse Minami.

“Depende de quão longe as coisas vão”-acrescentou.

A crise na área de semicondutores pode se agravar, pois, a Ucrânia é uma das grandes produtoras de gás néon, essencial para a fabricação de chips. Já a Rússia é um exportador de paládio.

O uso do paládio na indústria automóvel é estimado em 70% do mercado, sendo utilizado em vários outros ramos, incluindo a eletrônica.

A Ucrânia fornece mais de 90% do neônio de grau semicondutor para os Estados Unidos e o gás envolve justamente os dois países em conflito, já que é um subproduto da siderurgia russa, mas é purificado na Ucrânia. O neônio é um elemento químico classificado como gás nobre.

Expectativa de recuperação da economia japonesa

Os fabricantes questionados pelo Ministério da Economia, Comércio e Indústria (METI) esperavam que a produção avançasse 5,7% em fevereiro e 0,1% em março. No entanto, um funcionário do governo disse que essas previsões foram feitas em 10 de fevereiro, antes da Rússia invadir a Ucrânia.

As vendas no varejo caíram 1,9% com ajuste sazonal em relação ao mês anterior, a segunda queda mensal em um sinal do impacto negativo que a sexta onda do coronavírus causou.

“As quedas nas vendas no varejo e na produção industrial em janeiro confirmam que o aumento da Ômicron impediu a recuperação”– disse Tom Learmouth, economista japonês da Capital Economics.

“Acreditamos que os gastos do consumidor cairão neste trimestre, mas devem se recuperar acentuadamente no segundo trimestre”-acrescentou.

Fonte: Reuters

Imagem de destaque: Philip FONG / AFP

Leia mais:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.