Promotores desistirão do caso contra o ex-primeiro-ministro Abe

A unidade especial de investigação do Ministério Público de Tóquio parece estar fazendo os ajustes finais para desistir do caso contra o ex-primeiro-ministro Shinzo Abe referente às despesas controversas de jantares que seu grupo de apoio organizou.

Um grupo de advogados e outros partidos apresentaram aos promotores uma queixa criminal contra o ex-primeiro-ministro por violar a Lei de Controle de Fundos Políticos, entre outras acusações, por suspeitas de que seu grupo de apoio cobriu ilicitamente a deficiência de despesas para jantares realizados nas festas pré-sakura financiadas pelos contribuintes.

A decisão final sobre o caso deverá ser tomada antes do final do ano, com base nos resultados das declarações de Abe aos promotores. O secretário-chefe de Abe e os demais envolvidos no caso provavelmente enfrentarão acusações sumárias por violar a Lei de Controle de Fundos Políticos.

O escritório de Abe pagou cerca de 23 milhões de ienes aos hotéis por realizarem festas entre 2015 e 2019, mas os participantes pagaram apenas 5.000 ienes cada, o que soma apenas 14 milhões de ienes aproximadamente. O ex-primeiro-ministro disse anteriormente à Assembleia: ” Não há receita ou despesa envolvendo o grupo de apoiadores, portanto não há necessidade de incluir (as transações) em relatórios de financiamento político”. No entanto, as investigações descobriram que o escritório de Abe cobriu as deficiências das despesas.

Após receber a queixa criminal, a unidade especial de investigação iniciou uma investigação em larga escala, ouvindo cerca de 100 pessoas, incluindo funcionários de Abe. Os promotores consideram que, o valor arrecadado pelo gabinete o valor adicional coberto deveriam ter sido listados nos relatórios de financiamento político. O secretário e os envolvidos admitiram que o escritório cobriu as deficiências, e reconheceram que eram obrigados a descrever o processo no relatório de financiamento político.

Embora a unidade especial de investigação esteja investigando se o ex-primeiro-ministro estava diretamente envolvido no caso, aparentemente não encontrou evidências que o acuse, levando a unidade a considerar difícil responsabilizá-lo criminalmente.

#diaadia


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.