Salário mínimo no Japão deve aumentar em ‘pelo menos’ 30 ienes, maior aumento da história

Um subcomitê do Conselho Central de Salário Mínimo entrou em acordos finais para aumentar a média ponderada do salário mínimo do Japão no ano fiscal de 2022 em “pelo menos 30 ienes“, o maior aumento de todos os tempos, disseram fontes próximas ao comitê ao Jornal Mainichi no dia 31 de julho.

As negociações finais do Conselho, que atua como órgão consultivo do Ministério da Saúde, Trabalho e Previdência, estavam marcadas para hoje (1 de agosto). O movimento planejado ocorre em meio ao aumento dos preços causado pelo enfraquecimento do iene e outros fatores.

O salário mínimo por hora é aplicado a todos os trabalhadores, e a média nacional atualmente é de 930 ienes (cerca de R$36). O conselho nacional, composto por representantes do trabalho e da gestão e membros do conselho de especialistas, apresenta diretrizes todos os anos, e os conselhos municipais de todo o país as usam para determinar o salário mínimo nessas áreas.

O conselho nacional conduziu as discussões finais em 25 de julho. Representantes trabalhistas e outros gestores já haviam concordado em aumentar o salário mínimo para combater a alta dos preços decorrentes da invasão russa da Ucrânia e do iene fraco, e o foco estava em quanto deveria ser o aumento.

Os representantes trabalhistas exigiam um grande aumento em contra-golpe aos preços altos. O lado da administração, por outro lado, insistiu que não conseguiu repassar completamente os custos de aquisição mais altos para os preços de entrega, pressionando os lucros e, portanto, buscou apenas um pequeno aumento, criando uma lacuna entre os dois lados.

Desde 25 de julho, nenhuma discussão concreta havia sido realizada e, portanto, o Ministério do Trabalho e outras partes continuaram as negociações nos bastidores. Com isso, espera-se que a média ponderada nacional do salário mínimo seja aumentada em pelo menos 30 ienes (R$1,16), considerando que os salários também vêm aumentando nas pequenas e médias empresas e negócios.

As diretrizes para o salário mínimo são geralmente estabelecidas entre meados e final de julho de cada ano. No ano passado, sob a liderança política do então primeiro-ministro Yoshihide Suga, que estava entusiasmado com o aumento do salário mínimo, foi fixado um aumento de 28 ienes por hora, o maior aumento de todos os tempos. O lado da administração reclamou dessa decisão, no entanto, e tomou a atitude incomum de pedir uma votação.

Desta vez, com o retrocesso do ano passado, as negociações avançaram no respeito às discussões entre os membros do conselho trabalhista, gerencial e de especialistas, e o consenso foi alcançado com base em dados objetivos, que levaram mais tempo do que o normal. Para que os governos das províncias apliquem o salário mínimo por volta de outubro, é necessário que as deliberações passem pelos conselhos de prefeituras dessas áreas com antecedência.

Fonte: The Mainichi

Imagem de capa: Pixabay

Leia também

#diaadia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *