via: Japan universities develop speedier analysis of coronavirus mutations - The Mainichi

Japão

Universidades japonesas desenvolvem análises mais rápidas de mutações da COVID-19

As Universidades de Osaka e de Hokkaido, desenvolveram um sistema capaz de analisar mutações genéticas do novo coronavírus muito mais rápido comparado aos métodos convencionais. 

Os pesquisadores esperam que o sistema acelere o desenvolvimento de novas medidas terapêuticas e preventivas para a COVID-19. O vírus já ceifou mais de 3,10 milhões de vidas em todo o mundo até final de abril, de acordo com os dados da Universidade Johns Hopkins.

Usando a reação em cadeia da polimerase, ou PCR, os pesquisadores conseguiram estabelecer uma maneira simples e eficiente de gerar clones infecciosos do SARS-CoV-2, o agente causador do coronavírus, para análise. Os resultados de sua pesquisa foram postados na Revista Cell Reports em abril.

Como a COVID-19 têm genomas grandes, os métodos convencionais para estudar mutações são complicados e demorados, geralmente levando alguns meses, mas a abordagem do grupo de pesquisa os encurtou para duas semanas, de acordo com as universidades.

”Este método nos permite examinar rapidamente as características biológicas das mutações no SARS-CoV-2”, disse Shiho Torii, o principal autor do estudo.

Um painel do Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar indicou no final de abril, que variantes altamente contagiosas do coronavírus com mutações distintas estavam perto de substituir outras versões do vírus nas prefeituras de Osaka e Hyogo, enquanto sua disseminação está se acelerando também em Tóquio.

Seu surgimento levantou questões entre o público sobre o que as mutações realmente significam e se elas poderiam afetar a eficácia das vacinas existentes.

Estudos sugerem que uma vacina desenvolvida pela Pfizer Inc. e seu parceiro alemão BioNTech SE, a única vacina autorizada no Japão até agora, é eficaz contra variantes da COVID-19, incluindo o B.1.1.7 mais transmissível, conhecido como a variante do Reino Unido.

Para entender a função de cada mutação nos genes das variantes, é essencial gerar vírus recombinantes com cada mutação e examinar as características biológicas em comparação com o vírus parental, segundo os pesquisadores.

”O sistema sem bactérias baseado em PCR permite aos pesquisadores examinar rapidamente as características biológicas dos vírus recombinantes com mutações, criados através do método, utilizando uma reação de extensão de polimerase circular, ou CPER, em comparação com o vírus parental”, acrescentou Torii.

A expectativa da equipe de pesquisa com o método CPER é grande, pois ele pode gerar um vírus recombinante não capaz de causar doenças, o que pode contribuir para o desenvolvimento de uma vacina segura e eficaz, assim como de medicamentos antivirais.

Leia também:

Casos da COVID-19 em Tóquio ultrapassam os 1.000 pela primeira vez desde o fim de janeiro

#coronavírus


Universidades japonesas desenvolvem análises mais rápidas de mutações da COVID-19 Japão