Vítima de violência doméstica fica furiosa após repartição pública vazar seu endereço para seu ex-marido

Imagine a seguinte situação: uma vítima de violência doméstica consegue fugir e começar uma nova vida em outro lugar, até que em um certo dia seu agressor reaparece e a persegue.

Esse tipo de situação aconteceu depois que um escritório do governo divulgou o atual endereço da vítima para a própria pessoa da qual ela tentava fugir.

No Japão, existe um sistema de apoio às mulheres que sofrem violência doméstica, e esse sistema não permite que os governos locais divulguem informações pessoais delas para o agressor, no entanto, existem diversos casos em que as repartições públicas acabam vazando essas informações. Infelizmente, em pelo menos um desses casos a vítima acabou sendo morta.

Uma vítima de violência doméstica inscrita nesse sistema, ficou furiosa após uma repartição pública de Tóquio vazar seu novo endereço para seu ex-marido.

Devido aos maus tratos que sofria, ela decidiu se divorciar. Após um longo processo, ela conseguiu finalizar o procedimento do divórcio e finalmente recomeçar a vida. Ela conseguiu um emprego como empregada regular e alugou um apartamento.

Como medida preventiva, ela parou de postar nas redes sociais e fez tudo o que estava a seu alcance para manter sua nova localização em segredo, e por fim se inscreveu no sistema de apoio à vítimas de violência doméstica no escritório do governo local.

Quando ela estava começando a se adaptar à nova rotina, e se estabilizar financeiramente, seu ex-marido reapareceu em uma certa noite de 2019. Ele tocou a campainha de seu apartamento e pelo “olho mágico” da porta ela pôde identificá-lo. “Seu coração batia forte e sua mente ficou em branco, sem saber o por que ele estava ali”.

O homem tocou a campainha várias vezes e gritou “Venha aqui!”. Felizmente, seus vizinhos chamaram a polícia e o agressor foi embora.

Ainda em pânico, a mulher ficou se perguntando por que ele sabia de seu novo endereço e foi até a prefeitura local. Um funcionário disse que “foi um erro cometido por Meguro Ward de Tóquio”- onde seu ex-marido residia.

Segundo as informações, um funcionário havia enviado documentos da mulher e o novo endereço do filho para o homem confirmar os dados de seus dependentes, mas não verificou se a mulher havia tomado medidas preventivas para se proteger dele.

“Eu confiava no escritório local”. Meu corpo tremia de raiva”- disse a vítima ao jornal Mainichi.

Depois disso, a mulher e seu filho tiveram que ficar hospedados em um hotel até que encontrassem um lugar seguro para ficar.

A mulher ficou furiosa e decepcionada, pois Meguro Ward não a informou imediatamente sobre o vazamento das informações.

Leia também:

#diaadia


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.